Monthly Archives: May 2013

Eco Bras I (Eco) – O homem que dá nome à rua do Bigode

Como o Oswaldo Aranha tem sido um personagem frequente das nossas últimas aulas (e ainda tornará a aparecer), não custa deixá-los melhor informados para a próxima vez que vocês forem ao Bigode.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Osvaldo_Aranha

Esses são vídeos sobre a participação de Aranha, presidindo a ONU em 1947, no processo de partilha da Palestina, que levou à subsequente criação do Estado de Israel:

https://www.youtube.com/watch?v=oxLdHAUOyAA

https://www.youtube.com/watch?v=cwkjMM-LPMU

E aqueles que se animarem, deem uma olhada no verbete sobre ele no Dicionário Histórico e Biográfico Brasileiro, do CPDOC.

Eco Bras I (Eco) – Brasil na Segunda Guerra Mundial

Na próxima semana entraremos na discussão sobre a economia brasileira durante a Segunda Guerra Mundial. Segue algum material interessante a respeito.

Alguns vídeos feitos por autoridades americanas durante a Segunda Guerra Mundial para a divulgação do Brasil lá. Há imagens de época bem legais e nos dão uma mostra de até onde iam os esforços em torno do alinhamento do Brasil com os EUA na Guerra.

http://www.youtube.com/watch?v=InWifglIkQ0

http://www.youtube.com/watch?v=8nZO8DdZ0L4

http://www.youtube.com/watch?v=wg7lohLxUqo

Outras coisas interessantes do período, agora mostrando como esse o alinhamento atingia a dimensão cultural de forma importante, com alguns casos que talvez os surpreendam. Afinal, o que o Zé Carioca e o Orson Welles têm a ver com isso?

https://www.youtube.com/watch?v=IevOgR1ftSc

https://www.youtube.com/watch?v=dSW7yWYbbMM

Eco Bras (SS-Adm) – AVISO – Seminários

Caros alunos e alunas,

conforme conversamos na aula de ontem, ficou instituída a possibilidade de apresentar um seminário em grupo sobre um texto que eu proporei em lugar de uma das provas. Isso para aqueles alunos que quiserem. Aqueles que não quiserem, poderão fazer as provas normalmente conforme combinado no início do curso.

Contudo, para organizar isso, eu preciso de uma lista fechada de interessados em participar dos seminários. Eu já recebi inscrições na aula de ontem e receberei manifestações de outros interessados, no máximo, até a aula da próxima segunda feira (3/6). Depois disso, não aceitarei nem novas entradas, nem saídas, pois sem isso fica impossível organizar a coisa.

Partindo do interesse de vocês, acho que podemos fazer algo legal com esses seminários também.

Abraços,

Gustavo.

Eco Bras (SS-Adm) – Indústria de máquinas na Primeira República

Para ilustrar o que discutimos na última aula sobre a evolução da indústria durante o período da Primeira República, segue esse vídeo comemorativo dos cinquenta anos da colonização italiana no Brasil (anos 1920-1930) sobre Carlos Tonanni e sua empresa, a “Machinas Tonnani”, fundada em 1902, que produzia máquinas para beneficiamento de arroz em Jaboticabal, interior do estado de São Paulo. O vídeo mostra, entre outras coisas, o processo produtivo da indústria de máquinas no período.

http://www.youtube.com/watch?v=Ow1pRyvGlyo

Eco Bras (SS-Adm) – Programa da disciplina

ECO-035 – Economia Brasileira

1o Semestre 2013

Prof. Gustavo Barros

_________________________________________

Programa

Parte I – Primeira República (1889-1930): O café e o crescimento da indústria

  1. Economia agroexportadora
  2. Industrialização antes de 1930

Parte II – Primeiro governo Vargas (1930-1945): Revolução e mudança no padrão de acumulação

  1. A Crise de 1929 e a Grande Depressão: políticas econômicas e consequências
  2. Os anos 1930: Revolução e centralização política
  3. O Estado Novo e a economia brasileira durante a Segunda Guerra Mundial
  4. Processo de industrialização por substituição de importações

Parte III – A Quarta República (1945-1964): Desenvolvimentismo, nacionalismo, populismo

  1. O pós-Guerra e o segundo governo Vargas
  2. JK e o Plano de Metas
  3. Nacional desenvolvimentismo, populismo
  4. A crise do início dos anos 1960

Parte IV – Autoritarismo, crescimento econômico e esgotamento do modelo de desenvolvimento

  1. As reformas institucionais do PAEG e o “milagre econômico”
  2. O II PND: a economia brasileira em marcha forçada
  3. Crescimento econômico, endividamento e crise

Parte V – A Nova República

  1. A saga dos planos heterodoxos: Inflação e tentativas de estabilização
  2. As reformas da década de 1990
  3. A economia brasileira pós-estabilização: FHC e Lula

 

Avaliação

A avaliação constará de três provas em sala de aula, com pesos iguais. As provas consistirão de questões dissertativas abertas, cobrindo a matéria dada até o momento que ainda não tiver sido cobrada nas provas anteriores.

Haverá uma prova substitutiva ao final do curso cobrindo toda a matéria, e que cumprirá também o papel de segunda chamada, para aqueles que eventualmente tenham perdido alguma das provas, por qualquer motivo. A substitutiva será aberta a todos os alunos que desejarem fazê-la, quer tenham perdido alguma das provas quer não. Porém, a nota da substitutiva necessariamente substituirá a nota de alguma das três provas regulamentares.

 

Site

Eu usarei o meu site (http://gustavo.barros.nom.br) para me comunicar com vocês. Este será o nosso canal de comunicação para todas as necessidades além da aula. De forma que você deve acompanhar os posts e avisos que eu farei lá.

Acompanhar os posts é simples, e pode ser feito através do feed de notícias da nossa disciplina, que é o seguinte: https://gustavo.barros.nom.br/tag/ebssad-2013-1/feed/

Para receber avisos por e-mail sempre que um novo post for adicionado, basta fazer uma inscrição para tanto no http://blogtrottr.com/ (ou outro serviço equivalente). Não é necessário sequer fazer cadastro, basta fornecer o e-mail da sua preferência e o endereço do feed acima e você receberá um aviso em seu e-mail toda vez que surgir um novo post para a nossa disciplina. Alternativamente, se você já usa regularmente um agregador de feeds, basta assinar o feed da disciplina.

 

Bibliografia Básica

Gremaud, Amaury Patrick; Saes, Flávio Azevedo Marques de; Toneto Jr., Rudinei. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Atlas, 1997.

Gremaud, Amaury Patrick; Vasconcellos, Marco Antonio Sandoval de; Toneto Jr., Rudinei. Economia brasileira contemporânea. 7. ed., São Paulo: Atlas, 2012.

(outras referências poderão ser acrescentadas ao longo do curso)

 

Bibliografia Complementar

Abreu, Marcelo de Paiva (org.). A Ordem do progresso: Cem anos de política econômica republicana, 1889-1989. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

Batista Jr., Paulo Nogueira. O Plano Real à luz da experiência mexicana e argentina. Estudos Avançados, 10 (28), p. 127-97, 1996.

Baumann, Renato. Brasil en los años noventa: una economía en transición. Revista de la CEPAL, 73, Abril 2001.

Bielschowsky, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: O Ciclo ideológico do desenvolvimentismo. 5. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

Castro, Antonio Barros de. Ajustamento X Transformação. A economia brasileira de 1974 a 1984. In: Castro, Antonio Barros de; Souza, Francisco Eduardo Pires de. A Economia brasileira em marcha forçada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. p. 11-95.

Cruz, Paulo Davidoff. Notas sobre o endividamento externo brasileiro nos anos setenta. In: Belluzzo, Luiz Gonzaga de Mello; Coutinho, Renata (Orgs.).Desenvolvimento capitalista no Brasil: Ensaios sobre a crise. v. 2, São Paulo: Brasiliense, 1983. p. 59-106.

Dean, Warren. A Industrialização de São Paulo (1880-1945). 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1991.

Diniz, Eli. O Estado Novo: Estrutura de poder e relações de classes. In: Fausto, Boris (dir.), História Geral da Civilização Brasileira, Tomo III – O Brasil republicano, 3o Volume – Sociedade e política (1930-1964). 3a ed. São Paulo: Difel, 1986.

Fausto, Boris. Introdução e Prefácio à edição de 1997. In:______. A Revolução de 1930: História e historiografia. 16a ed. rev. amp. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. p. 7-27.

Ferraz, João Carlos; Kupfer, David; Iooty, Mariana. Competitividad industrial en Brasil – 10 años después de la liberalización. Revista de la CEPAL, 82, p. 91-119, Abril 2004.

Fishlow, Albert. Origens e consequências da substituição de importações no Brasil. Estudos Econômicos, v. 2, n. 6, p. 7-75, dez. 1972.

Fonseca, Pedro Cezar Dutra. Nem ortodoxia nem populismo: o segundo governo Vargas e a economia brasileira. Tempo, 14 (28), p. 19-58, 2010.

Furtado, Celso. Formação econômica do Brasil. 24. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1991.

Furtado, Celso. Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

Furtado, Celso. Análise do “modelo” brasileiro. In: ______. Análise do “modelo” brasileiro. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972. p. 7-79.

Giambiagi, Fabio; Villela, André; Castro, Lavínia Barros de; Hermann, Jennifer (Orgs.). A Economia brasileira contemporânea (1945-2010). 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

Giambiagi, Fábio; Moreira, Maurício Mesquita (Orgs.). A Economia brasileira nos anos 1990. Rio de Janeiro: BNDES, 1999.

Gomes, Angela M. C. O populismo e as ciências sociais no Brasil: notas sobre a trajetória de um conceito. Tempo, 1 (2), p. 31-58, 1996.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). A Década Inclusiva (2001-2011): Desigualdade, Pobreza e Políticas de Renda. [S.l.]: Ipea, 25 de setembro de 2012. (Comunicados do IPEA, n. 155).

Lafer, Celso. O Planejamento no Brasil: Observações sobre o Plano de Metas (1956-1961). In: Mindlin, Betty (Org.). Planejamento no Brasil. 5. ed., São Paulo: Perspectiva, 2003. p. 29-50.

Lopes, Francisco. Inflação inercial, hiperinflação e desinflação: Notas e conjecturas. In: ______. O Choque heterodoxo: Combate à inflação e reforma monetária. Rio de Janeiro: Campus, 1986. p. 121-43.

Malan, Pedro S.; Bonelli, Regis; Abreu, Marcelo de P.; Pereira, José Eduardo de C. Política econômica externa e industrialização no Brasil (1938/52). Rio de Janeiro: IPEA/INPES, 1977.

Mesquita, Mário Magalhães Carvalho. 1961-1964: A Política econômica sob Quadros e Goulart. Dissertação de mestrado, PUC-RJ, 1992.

Oliveira, Lucia Lippi de. A Revolução de 1930 e suas versões. In: Abreu; Alzira; Belloch, Israel (Orgs.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro (1930-1983). v. 4, Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1984. p. 2944-47.

  • disponível em http://cpdoc.fgv.br/ → Acervo → Busca, na busca selecione “Verbete” e busque por “Revolução de 1930”, o texto de Lúcia Lippi de Oliveira faz parte do verbete (está ao final)

Peláez, Carlos Manoel. A Balança comercial, a Grande Depressão e a industrialização brasileira. Revista Brasileira de Economia, Ano XXII, n. 1, p. 15-47, março 1968.

Pereira, Luiz Carlos Bresser; Nakano, Yoshiaki. Fatores aceleradores, mantenedores e sancionadores da inflação. Revista de Economia Política, v. 4, n. 1, p. 5-21, janeiro-março 1984.

Prebisch, Raúl. O Desenvolvimento econômico da América Latina e alguns dos seus problemas principais. In: Bielschowsky, R. (org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000. p. 69-136.

Resende, André Lara. A moeda indexada: uma proposta para eliminar a inflação inercial. In: Rego, José Márcio (Org.). Inflação inercial, teorias sobre inflação e o Plano Cruzado. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. p. 149-58.

Saes, Flávio Azevedo Marques de. A Controvérsia sobre a industrialização na Primeira República. Estudos Avançados, vol. 3, no 7, p. 20-39, set/dez 1989.

Silber, Simão. Análise da política econômica e do comportamento da economia brasileira durante o período 1929/1939. In: Versiani, Flávio Rabelo; Barros, José Roberto Mendonça de. Formação Econômica do Brasil: A Experiência da industrialização. 1a ed. rev. São Paulo: Saraiva, 1978. p. 187-207.

Simonsen, Mario Henrique. A Imaginação reformista. In: Simonsen, Mario Henrique; Campos, Roberto de Oliveira. A Nova economia brasileira. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1974. cap. VI, p. 119-50.

Tavares, Maria da Conceição. Auge e declínio do processo de substituição de importações no Brasil. In: ______. Da Substituição de importações ao capitalismo financeiro: Ensaios sobre economia brasileira. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975. p. 27-124.

Tavares, Maria da Conceição; Assis, José Carlos de. O Grande salto para o caos: A economia e a política econômica do regime autoritário. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1985.

Tavares, Maria da Conceição; Serra, José. Além da estagnação. In: Tavares, Maria da Conceição, Da Substituição de importações ao capitalismo financeiro: Ensaios sobre economia brasileira. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975. p. 153-207.

Teixeira, Aloisio. O Ajuste impossível (Um estudo sobre a desestruturação da ordem econômica mundial e seu impacto sobre o Brasil). Tese (Doutorado) – Unicamp, Campinas, 1993.

Eco Bras I (Eco) – Programa da disciplina

ECO-030 – Economia Brasileira Contemporânea I

1o Semestre 2013

Prof. Gustavo Barros

_________________________________________

Programa

Os itens anotados com asterisco são considerados bibliografia mínima para o acompanhamento das aulas. Porém, toda a bibliografia listada é recomendada.

Parte I – Primeiro governo Vargas (1930-1945): Revolução e mudança no padrão de acumulação

  1. A Crise de 1929 e a Grande Depressão: políticas econômicas e consequências
  • Furtado (1991, caps. XXX a XXXII, p. 177-203)*
  • Pelaez (1968)
  • Silber (1978)
  • Abreu, “Crise, crescimento e modernização autoritária: 1930-1945”, em Abreu (1990, cap. 3, itens 1 e2, p. 73-90)
  1. Os anos 1930: Revolução e centralização política
  • Oliveira (1984)*
  • Diniz (1986)
  • Fausto (1997)
  1. Estado e indústria no primeiro governo Vargas
  • Fonseca (2003)*
  • Dean (1991, cap. 10, p. 194-220)*
  • Corsi (1999)
  1. O Estado Novo e a economia brasileira durante a Segunda Guerra Mundial
  • Furtado (1991, cap. XXXIII, p. 204-16)*
  • Abreu, “Crise, crescimento e modernização autoritária: 1930-1945”, em Abreu (1990, cap. 3, item 3, p. 90-104)*
  • Malan et al. (1977, cap.3, seções 3.2.1 e 3.3.1, p. 125-142, 155-164)

Parte II – A Quarta República (1945-1964): Desenvolvimentismo, nacionalismo, populismo

  1. Governo Dutra
  • Vianna, “Política econômica externa e industrialização”, em Abreu (1990, cap. 4, p. 105-22)*
  • Furtado (1991, caps. XXXIV a XXXVI, p. 217-42)
  • Malan et al. (1977, cap.3, seções 3.2.2 e 3.3.2, p. 142-154, 164-177)
  1. Segundo governo Vargas
  • Vianna, “Duas tentativas de estabilização: 1951-1954”, em Abreu (1990, cap. 5, p. 123-50)*
  • Fonseca (2010)
  1. JK e o Plano de Metas
  • Orenstein e Sochaczewski, “Democracia com desenvolvimento: 1956-1961”, em Abreu (1990, cap. 7, p. 171-95)*
  • Lafer (2003)
  1. Nacional desenvolvimentismo, populismo
  • Bielschowsky (2000, cap. 5, itens 5.3 e 5.4, p. 103-62)*
  • Gomes (1996)
  1. A crise do início dos anos 1960
  • Mesquita (1992, cap. 5, p. 237-66)*
  • Abreu, “Inflação, estagnação e ruptura”, em Abreu (1990, cap. 8, p. 197-212)*

Parte III – Ditadura militar (1964-1980): Das reformas à crise

  1. As reformas do PAEG
  • Simonsen (1974)*
  • Resende, “Estabilização e reforma: 1964-1967”, em Abreu (1990, cap. 9, p. 213-31)
  1. O “milagre econômico”
  • Lago, “A Retomada do crescimento e as distorções do ‘milagre’: 1967-1973”, em Abreu (1990, cap. 10, itens 1-3, 6-8 p. 233-48; 272-94)*
  • Veloso et al. (2008)
  1. O II PND
  • Castro (1985, “Introdução”, itens 1 e 2, “O ganho de divisas decorrente dos grandes programas setoriais”, p. 11-47, 56-60)*
  • Carneiro, “Crise e esperança: 1974-1980”, em Abreu (1990, cap. 11, p. 295-322)
  1. Crescimento econômico, endividamento e crise
  • Cruz (1983)*
  • Fishlow (1981)

Parte IV – O processo de industrialização brasileiro

  1. Industrialização antes de 1930: Café e indústria
  • Saes (1989)*
  • Furtado (1991, caps. XXVI a XXIX, p. 151-73)
  • Versiani e Versiani (1978)
  1. Industrialização por substituição de importações (ISI)
  • Tavares (1975, parte I, “O processo de substituição de importações como modelo de desenvolvimento na América Latina”, e parte II, item E, “Conclusões”, p. 29-58, 97-115)*
  • Prebisch (2000, itens I a III, p. 71-92)*
  • Tavares (1975, parte II, “O caso do Brasil”, p. 59-97, 115-124)
  • Prebisch (2000, itens IV a VII, p. 92-136)
  • Fishlow (1972)
  1. Controvérsias sobre a ISI
  • Furtado (1968, cap. 3, p. 49-89)*
  • Tavares e Serra (1975)
  • Furtado (1972)
  • Castro (1985, item 4, p. 73-82)

 

Avaliação

A avaliação constará de três provas em sala de aula, com pesos iguais. As provas consistirão de questões dissertativas abertas, cobrindo a matéria dada até o momento que ainda não tiver sido cobrada nas provas anteriores.

Haverá uma prova substitutiva ao final do curso cobrindo toda a matéria, e que cumprirá também o papel de segunda chamada, para aqueles que eventualmente tenham perdido alguma das provas, por qualquer motivo. A substitutiva será aberta a todos os alunos que desejarem fazê-la, quer tenham perdido alguma das provas quer não. Porém, a nota da substitutiva necessariamente substituirá a nota de alguma das três provas regulamentares.

 

Site

Eu usarei o meu site (http://gustavo.barros.nom.br) para me comunicar com vocês. Este será o nosso canal de comunicação para todas as necessidades além da aula. De forma que você deve acompanhar os posts e avisos que eu farei lá.

Acompanhar os posts é simples, e pode ser feito através do feed de notícias da nossa disciplina, que é o seguinte: https://gustavo.barros.nom.br/tag/ebc1-2013-1/feed/

Para receber avisos por e-mail sempre que um novo post for adicionado, basta fazer uma inscrição para tanto no http://blogtrottr.com/ (ou outro serviço equivalente). Não é necessário sequer fazer cadastro, basta fornecer o e-mail da sua preferência e o endereço do feed acima e você receberá um aviso em seu e-mail toda vez que surgir um novo post para a nossa disciplina. Alternativamente, se você já usa regularmente um agregador de feeds, basta assinar o feed da disciplina.

 

Bibliografia

Abreu, Marcelo de Paiva (org.). A Ordem do progresso: Cem anos de política econômica republicana, 1889-1989. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

Bielschowsky, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: O Ciclo ideológico do desenvolvimentismo. 5. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

Castro, Antonio Barros de. Ajustamento X Transformação. A economia brasileira de 1974 a 1984. In: Castro, Antonio Barros de; Souza, Francisco Eduardo Pires de. A Economia brasileira em marcha forçada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. p. 11-95.

Corsi, Francisco L. O projeto de desenvolvimento de Vargas, a missão Osvaldo Aranha e os rumos da economia brasileira. História econômica e história de empresas, II.I, p. 35-68, 1999.

Cruz, Paulo Davidoff. Notas sobre o endividamento externo brasileiro nos anos setenta. In: Belluzzo, Luiz Gonzaga de Mello; Coutinho, Renata (Orgs.).Desenvolvimento capitalista no Brasil: Ensaios sobre a crise. v. 2, São Paulo: Brasiliense, 1983. p. 59-106.

Dean, Warren. A Industrialização de São Paulo (1880-1945). 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1991.

Diniz, Eli. O Estado Novo: Estrutura de poder e relações de classes. In: Fausto, Boris (dir.), História Geral da Civilização Brasileira, Tomo III – O Brasil republicano, 3o Volume – Sociedade e política (1930-1964). 3a ed. São Paulo: Difel, 1986.

Fausto, Boris. Introdução e Prefácio à edição de 1997. In:______. A Revolução de 1930: História e historiografia. 16a ed. rev. amp. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. p. 7-27.

Fishlow, Albert. Origens e consequências da substituição de importações no Brasil. Estudos Econômicos, v. 2, n. 6, p. 7-75, dez. 1972.

Fishlow, Albert. A dívida externa latino-americana: um caso de desenvolvimento com incerteza. Pesquisa e Planejamento Econômico, 11 (2), p. 283-322, ago 1981.

Fonseca, Pedro Cezar Dutra. Sobre a Intencionalidade da Política Industrializante do Brasil na Década de 1930. Revista de Economia Política, v. 23, n. 1 (89), p. 133-48, janeiro-março/2003.

Fonseca, Pedro Cezar Dutra. Nem ortodoxia nem populismo: o segundo governo Vargas e a economia brasileira. Tempo, 14 (28), p. 19-58, 2010.

Furtado, Celso. Formação econômica do Brasil. 24. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1991.

Furtado, Celso. Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

Furtado, Celso. Análise do “modelo” brasileiro. In: ______. Análise do “modelo” brasileiro. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972. p. 7-79.

Gomes, Angela M. C. O populismo e as ciências sociais no Brasil: notas sobre a trajetória de um conceito. Tempo, 1 (2), p. 31-58, 1996.

Lafer, Celso. O Planejamento no Brasil: Observações sobre o Plano de Metas (1956-1961). In: Mindlin, Betty (Org.). Planejamento no Brasil. 5. ed., São Paulo: Perspectiva, 2003. p. 29-50.

Malan, Pedro S.; Bonelli, Regis; Abreu, Marcelo de P.; Pereira, José Eduardo de C. Política econômica externa e industrialização no Brasil (1938/52). Rio de Janeiro: IPEA/INPES, 1977.

Mesquita, Mário Magalhães Carvalho. 1961-1964: A Política econômica sob Quadros e Goulart. Dissertação de mestrado, PUC-RJ, 1992.

Oliveira, Lucia Lippi de. A Revolução de 1930 e suas versões. In: Abreu; Alzira; Belloch, Israel (Orgs.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro (1930-1983). v. 4, Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1984. p. 2944-47.

  • disponível em http://cpdoc.fgv.br/ → Acervo → Busca, na busca selecione “Verbete” e busque por “Revolução de 1930”, o texto de Lúcia Lippi de Oliveira faz parte do verbete (está ao final)

Peláez, Carlos Manoel. A Balança comercial, a Grande Depressão e a industrialização brasileira. Revista Brasileira de Economia, Ano XXII, n. 1, p. 15-47, março 1968.

Prebisch, Raúl. O Desenvolvimento econômico da América Latina e alguns dos seus problemas principais. In: Bielschowsky, R. (org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000. p. 69-136.

Saes, Flávio Azevedo Marques de. A Controvérsia sobre a industrialização na Primeira República. Estudos Avançados, vol. 3, no 7, p. 20-39, set/dez 1989.

Silber, Simão. Análise da política econômica e do comportamento da economia brasileira durante o período 1929/1939. In: Versiani, Flávio Rabelo; Barros, José Roberto Mendonça de. Formação Econômica do Brasil: A Experiência da industrialização. 1a ed. rev. São Paulo: Saraiva, 1978. p. 187-207.

Simonsen, Mario Henrique. A Imaginação reformista. In: Simonsen, Mario Henrique; Campos, Roberto de Oliveira. A Nova economia brasileira. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1974. cap. VI, p. 119-50.

Tavares, Maria da Conceição. Auge e declínio do processo de substituição de importações no Brasil. In: ______. Da Substituição de importações ao capitalismo financeiro: Ensaios sobre economia brasileira. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975. p. 27-124.

Tavares, Maria da Conceição; Serra, José. Além da estagnação. In: Tavares, Maria da Conceição, Da Substituição de importações ao capitalismo financeiro: Ensaios sobre economia brasileira. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975. p. 153-207.

Veloso, Fernando A.; Villela, André; Giambiagi, Fábio. Determinantes do “milagre” econômico brasileiro (1968-1973): Uma análise empírica. Revista Brasileira de Economia, v. 62, n. 2, p. 221-246, Abr-Jun 2008.

Versiani, Flávio Rabelo; Versiani, Maria Teresa. A industrialização brasileira antes de 1930: uma contribuição. In: Versiani, Flávio R.; Barros, José Roberto Mendonça de (Orgs.). Formação econômica do Brasil: A experiência da industrialização. 1. ed. rev. São Paulo: Saraiva, 1978. p. 121-42.